Bio Cursos

| 26/01/2021 10:15

Suzana Lisboa:Covid-19: o uso do oxímetro em casa

Bio Cursos entrevista:

Dra. Suzana Lisboa

Tema: Covid-19: o uso do oxímetro em casa

Bacharel em fisioterapia pela faculdade Cathedral de Roraima; Pós graduanda em Fisioterapia em Terapia Intensiva pela Bio Cursos; Especialista em treinamentos de aparelhos fisioterapêuticos e estéticos. Atualmente atua como fisioterapeuta na Bio Store.



1 – Com o avanço da disseminação do coronavírus, houve um súbito aumento de interesse e procura por oxímetros. Qual a principal função desses aparelhos?

Suzana Lisboa: Alguns pacientes com Covid-19 apresentam comprometimento pulmonar, levando a uma baixa oxigenação no sangue, que pode ser precedida ou não de dispneia, falta de ar. Para acompanhar o quadro clínico do paciente é utilizado um aparelho não invasivo e prático em forma de clipe conectado à ponta do dedo, que monitora a saturação de oxigênio no sangue, chamado oxímetro.



2 – Quais os tipos de oxímetros e como funcionam?

Suzana Lisboa: No mercado, há dois tipos de oxímetros, são eles o de dedo, que funciona como aparelho portátil e sem fio, onde os sensores detectam a quantidade de oxigênio no sangue, com base na maneira como a luz passa pelo dedo. Com esse dispositivo, o paciente pode verificar a taxa de saturação sanguínea de forma rápida e confiável. Já o oxímetro de pulso, que também é conhecido por estacionário, é uma versão mais completa do oxímetro de dedo. Esse modelo pode ser usado em adultos, crianças e recém-nascidos. Ele permite um monitoramento contínuo, onde armazenam dados e os transmite para um computador. Tem bateria de longa duração, alarmes em LED para baixa saturação e bateria de boa qualidade para leitura. Esse dispositivo é bastante utilizado por equipes médicas para o monitoramento de pacientes em estado crítico.



3 – Quais os valores considerados "normais" de saturação do oxigênio?

Suzana Lisboa: O nível de saturação normal de oxigênio é maior que 95%.



4 – É de grande importância que os oxímetros sejam calibrados com frequência para evitar resultados alterados, quais os cuidados que devemos ter em casa com os aparelhos?

Suzana Lisboa: É importante verificar a marca do aparelho e se possui registro na Anvisa e o selo no Inmetro para garantir que o resultado das leituras estejam correto. Após a conferência desses detalhes essenciais, alguns cuidados são imprescindíveis, são eles: evitar uso de esmalte ou unhas postiças, pois altera a passagem do sensor de luz, a mão deve estar relaxada e abaixo do nível do coração e proteger o aparelho em caso de ambiente muito iluminado ou ensolarado.




Por

Larissa Lara

Assessoria de Comunicação Bio Cursos

Nossos Parceiros

logo_HTM